A violência de não se investir mais e melhor em educação

Começamos 2017 acompanhando no noticiário reportagens terríveis sobre a crise penitenciária no Norte e no Nordeste, que resultou em rebeliões e, consequentemente, em verdadeiras carnificinas. Nos últimos dias, assistimos estarrecidos aos acontecimentos verificados no Espírito Santo, com homicídios e saques sucessivos. A violência é um dos maiores problemas sociais do Brasil, de norte a sul. Custa vidas e recursos que poderiam ir para o desenvolvimento do país. 

Um estudo do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) apresentado neste mês mostrou que o custo do crime e da violência no Brasil chega a 3,78% do PIB (Produto Interno Bruto), ou seja, US$ 91 bilhões. Em toda a América Latina e no Caribe, os gastos chegam a US$ 171 bilhões.

O Brasil tem hoje uma população carcerária de 607.731 indivíduos, sendo que existem apenas 376.669 vagas no sistema prisional. Temos dados de apenas 40% dessas pessoas – e eles mostram que a escolaridade delas é baixíssima: mais da metade não tem o ensino fundamental completo. Além disso, se o crescimento da população carcerária seguir na proporção atual, até 2022 é provável que tenhamos mais de 1 milhão de presos no país. Os dados são do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen) do Ministério da Justiça 2014 (acesse aqui).

Segundo o Ministério da Justiça, o custo mensal por preso no Brasil é de R$ 2.400, o que totaliza, por ano, cerca de R$ 29 mil por encarcerado.

Um aluno do ensino médio custa, ao ano, R$ 6.021,38, segundo dados do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira).

Estamos fazendo as escolhas erradas!

Para ler na íntegra, acesse: https://educacao.uol.com.br/colunas/priscila-cruz/2017/02/15/a-violencia-de-nao-se-investir-mais-e-melhor-em-educacao.htm#comentarios

https://educacao.uol.com.br/colunas/priscila-cruz/2017/02/15/a-violencia-de-nao-se-investir-mais-e-melhor-em-educacao.htm#comentarios

Data de Publicação: 16/02/2017